28 maio 2008
  'Estupro corretivo'
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 18/05/2008

por Vange Leonel

Ela batia um bolão. Eudy Simelane era meio-campista da seleção sul-africana de futebol feminino. Chamava a atenção não só por ser craque mas porque era uma das raras figuras públicas locais que assumia sua homossexualidade.

Na madrugada do último dia 28, a atleta voltava para sua casa no subúrbio de Johannesburgo quando foi cercada por cinco rapazes que começaram a importuná-la. Um deles, aliás, era um conhecido ali da vizinhança. Eles tentaram roubar dinheiro e o celular da jogadora. Eudy reagiu. Chegou até a golpear um deles.

Furiosos com a garota que ousava bater em homens e namorar mulheres, os cinco a arrastaram para o mato. Ali, na moita, estupraram-na repetidamente, em turnos. Depois, mataram a jovem a facadas.

Ativistas gays sul-africanos afirmam que o assassinato de Eudy foi motivado por homofobia. Crimes assim têm se proliferado em países africanos, geralmente acompanhados do chamado "estupro corretivo" (para "ensinar" a lésbica a gostar de homem). Grupos gays reclamam que a polícia local não dá atenção às denúncias de ataques sofridos por homossexuais (principalmente os negros) e que profissionais de saúde se recusam a atender lésbicas estupradas.

Como Eudy era famosa, o assassinato está sendo investigado com o maior cuidado e celeridade. Os cinco rapazes já foram encontrados e estão presos, aguardando julgamento.

Por essa e por outras, o comitê organizador da Copa do Mundo 2010 da África do Sul constatou que a violência será um dos principais problemas a serem enfrentados durante o evento.


© Folha de S.Paulo

Marcadores:

 
  Ro Ro, fato e ficção
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 04/05/2008

por Vange Leonel


Hoje em dia, realidade e fantasia se misturam e muita gente não percebe a diferença entre uma e outra.

Se, de um lado, os programas de reality show transformam pessoas "da vida real" em personagens de ficção, por outro lado, invenções de mentes brilhantes (ou não) são tomadas por realidade pura.

Dias atrás, Angela Ro Ro -lésbica notória, cantora e compositora de humor inteligente- declarou à coluna Monica Bergamo, na Folha, que estava apaixonada por um ex-padre romeno.

Não se sabe se a declaração teve algo a ver com o depoimento da também cantora Ana Carolina, à mesma coluna, na semana anterior, dizendo estar a fim de fazer sexo com um homem.

Enfim, isso não interessa. O que chamou a atenção foi a dúvida suscitada pela declaração de Ro Ro: alguns fãs passaram dias se perguntando na internet se a cantora fez piada ou falou a verdade.

Na própria entrevista, Ro Ro revelou ter criado o romance com o ex-padre porque "a realidade nua e crua não daria conta de seduzir o público". Ou seja: mesmo afirmando entre dentes ter inventado tudo, a cantora, com talento de mestre prestidigitador, foi capaz de inocular a dúvida em alguns desavisados com um factóide perspicaz.

O truque funcionou. Ro Ro chamou atenção para o seu show. E ainda demonstrou que a mídia, mais que meio, é hoje espaço e palco em que fato e ficção acontecem quase sem distinção.

© Folha de S.Paulo

Marcadores:

 
21 maio 2008
  Memórias de uma Mulher Macaca - capítulo 7
"Gravando: entrevista com a mulher-macaca, segunda sessão". A jornalista colocou seu garavador sobre a mesa de centro entre nós duas e tirou de sua mochila um bloco de anotações. "Então, me diz: quando você percebeu que era diferente das outras pessoas?", questionou logo de cara". (continua)

lá no Mix Brasil, mais um capítulo da minha web novel.



Julia Pastrana (1834-1860)


Marcadores:

 
09 maio 2008
  Memórias de uma Mulher Macaca - capítulo 6
´E assim aconteceu: lá estava ela, de volta. A jornalista, por definição curiosa, querendo saber mais sobre o passado secreto de minha mãe cientista. Como se não pudesse esperar mais e seu tempo fosse muito precioso para desperdiçar com bobagens, ela disparou de imediato: "então, qual é a grande revelação que você tem pra mim?"´... (continua)

mais um capítulo da da incrível saga da mulher macaca lá no Mix.


Marcadores:

 
07 maio 2008
  Guerrilha Gay
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 20/04/2008

por Vange Leonel


Vocês se lembram dos "flash mobs"? Eram aqueles eventos-relâmpago, sem propósito algum, combinados via internet por gente que se reunia de repente numa esquina para, por exemplo, bater com a sola de sapato no asfalto.

Nos Estados Unidos, um movimento inspirado nos "flash mobs" está se espalhando: o Guerrilla Queer Bar (GQB). Por e-mails e sites, gays, lésbicas e trans combinam de ocupar, uma vez por mês, algum bar não-gay de sua cidade.

A galera chega, senta, bebe, come, conversa, namora, beija e faz tudo o que se faz habitualmente num bar. Alguns freqüentadores héteros se chocam. Outros nem se importam e até gostam da companhia inédita. O objetivo do GQB é, justamente, romper a divisão rígida que se criou entre locais gays e não-gays, promovendo uma convivência mais "natural" entre héteros e homossexuais.

Essa moda pegaria no Brasil? E se o GQB se estendesse aqui para além dos bares? Imagine um grupo compacto de gays, lésbicas e trans ocupando as arquibancadas de um Palmeiras x Corinthians. Agora, imagine o contrário: um grupo hétero de uma torcida organizada se confraternizando num bar gay. O que você acha? A convivência poderia ser boa?

É natural que pessoas com gostos parecidos se reúnam em locais específicos para elas. Resta saber se, no caso dos ditos "espaços gays", tal estratificação é voluntária e espontânea ou sintoma da tendência de se fechar em guetos de uma sociedade que prefere não assistir a manifestações públicas de afeto homossexual.

© Folha de S.Paulo

Marcadores:

 
06 maio 2008
  Aquilo roxo
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 06/04/2008

por Vange Leonel

Um homem pode engravidar? Depende do que se entende por homem. A história do americano Thomas Beatie pode parecer estranha, mas faz todo o sentido se pudermos separar o que é sexo (biologicamente determinado), gênero (socialmente definido) e direito à reprodução.

Beatie nasceu mulher, mas sempre se sentiu homem. Como biologia não é destino, decidiu modificar o corpo que não combinava com sua mente. Tomou hormônios masculinos, retirou os seios, mas manteve útero e ovários para preservar sua capacidade reprodutiva.

Num artigo para a revista gay "The Advocate", ele explicou que "a esterilização não é pré-requisito para o processo de re-designação sexual". Ou seja: transformar-se num homem não significa abdicar do direito de produzir filhos biológicos.

De fato, a decisão de manter sua capacidade reprodutiva foi sábia. Beatie, por ironia, casou-se com uma mulher que teve o útero retirado por conta de uma grave endometriose. Quando resolveram ter filhos, Beatie era o único capaz de levar adiante uma gravidez.

Assim, revertendo um processo iniciado há anos, ele parou de tomar suas injeções de testosterona e voltou a menstruar. O casal comprou sêmen em um banco de esperma e fez uma inseminação caseira.

Hoje, grávido de cinco meses, Beatie espera o nascimento de uma menina para julho. Depois do parto, vai retomar as injeções de testosterona. Taí um cara corajoso. Definitivamente, não são os colhões que fazem um homem.

© Folha de S.Paulo


Thomas Beatie © The Advocate

Marcadores:

 

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger