30 junho 2006
  in my case it has only been painful and nasty
Ainda sobre as memórias de Djuna Barnes, um trecho do livro, exemplo do humor espirituoso da escritora (e aproveitando que toquei em assuntos gasosos ali em baixo).

escreve Hank O´Neal sobre um encontro com Barnes:

"She once asked me to buy a book, any current book I might buy for myself, bring it by, and then read her a few pages. I chose a new Beckett book, ´Company´. The next day I called on Barnes and told her I had a new book by her old friend, Samuel Beckett. She was interested in what he might be writing and asked if I´d read some to her. I began, and after about two paragraphs she stopped me and said, ´Mr. O´Neal, everybody farts. Most people can stand the smell of their own farts but do not enjoy the farts of others. This is Sam Beckett farting.´ I put the book back in bag and we both laughed."
 
29 junho 2006
  Life is painful, nasty and short...
Já faz um tempo que eu estava atrás deste livro de memórias sobre os últimos anos de vida da escritora Djuna Barnes. Na semana passada comprei um exemplar usado pela Amazon. Estou devorando o livro. Djuna Barnes é, definitivamente, uma de minhas escritoras favoritas e uma personagem ímpar. O autor do livro, Hank O´Neal, conviveu e conversou com Barnes ao longo de 3 anos, enquanto a ajudava em tarefas cotidianas como organizar papéis, agendar consultas médicas, mediar contatos e etc. As memórias de O´Neal sobre os derradeiros anos da escritora (que morreu em 1982 aos 90 anos) são preciosos, já que Barnes vivia reclusa em seu apartamento em Patchin Place (Greenwitch Village, Nova York) longe dos olhos do mundo .

O título livro é um chiste célebre de Djuna Barnes que, além de escritora e artista gráfica, era uma frasista de primeira: "Life is painful, nasty and short... in my case it has only been painful and nasty" (A vida é sórdida, sofrida e curta... No meu caso, apenas sórdida e sofrida).

Na foto da orelha do livro (abaixo), O´Neal está na porta do apartamento de Barnes. Eu fiz questão de visitar Patchin Place, uma das raras ruas de vila em Manhattan, para ver e farejar onde Barnes viveu seus últimos reclusos 40 anos (na foto, eu olho para sua janela).






foto de hank o´neal © by commerce graphics
foto de vange leonel © by cilmara bedaque


 
24 junho 2006
  Pérfidus e Flatus
PIE (idioma Proto-Indo-Europeu) é um suposto idioma original que teria dado origem a todas as línguas mortas que já esquecemos e as vivas que conhecemos até hoje. Infelizmente, tendo nascido antes da escrita, os lingüistas só podem adivinhar os vocábulos do idioma PIE. Para isso, comparam as palavras de várias línguas existentes hoje, analisam sua trajetória histórico-geográfica e tentam assim chegar à sua raiz. Os vocábulos que apresentam menor variação seriam os mais antigos e, portanto, pertencentes ao idioma original.

Entre as palavras mais antigas (li no livro "The third chimpanzee") descobriram uma não muito nobre: “perd”, no idioma PIE, que teria derivado para o grego “perdo”, o sânscrito “pardate”, o albanês “pjerdh”, o russo “perdet”, o lituânio “perdzu”, o inglês “fart” e o português “peido”.

Li ontem num site que os romanos honravam dois deuses distintos, um para cada tipo de emissão gasosa: Pérfidus governava os peidos mais silenciosos e sem cheiro enquanto Flatus regia os barulhentos e inodoros.

Faz sentido o “peido” ter sido logo nomeado, classificado e adorado. Afinal, a humanidade só fez crescer depois do advento da agricultura, com o cultivo de grãos deliciosos e a produção de beberagens estimulantes que só fazem fermentar em nossos intestinos.

Por falar nisso, você sabia que os intestinos medem 12 vezes a nossa altura? Sabia que produzimos uma média de 3 litros de gases por dia e que eles são liberados cerca de 17 vezes durante este período? Com tantas homenagens diárias, Pérfidus e Flatus deveriam ser os deuses mais vaidosos do panteão.
 
20 junho 2006
  O fantasma do futebol
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 11/06/2006

por Vange Leonel

"Não tiraria da Copa, mas acho que ele nem seria convocado para uma seleção brasileira. É situação inédita para mim, então é difícil dizer como reagiria. É assunto difícil de lidar". Foi o que disse Carlos Alberto Parreira à revista "Isto É" após a convocação, respondendo sobre o que faria se descobrisse algum jogador gay na seleção. Depois, arrematou: "Fala-se muito em homossexualismo no futebol, mas pessoalmente nunca vi".

A impressão que fica é a de que não há coisa que incomode e assuste mais o amante e o praticante do futebol que a provável existência de jogadores gays. A homossexualidade parece ser o grande fantasma do esporte: muitos comentam, ninguém confirma. O fantasma nunca é visto, mas se torna popular, tantos são os indícios de sua existência.

Depois que Martina Navratilova revelou-se lésbica, o esporte feminino tem visto atletas de ponta assumirem sua homossexualidade, caso da tenista Amélie Mauresmo e da jogadora de basquete Sheryl Swoopes. No esporte masculino, parece que não há clima para sair do armário. Por quê? "Mulher-macho" pode, mas gay não combina com a macheza do esporte? Quem disse que gay não é macho? Aliás, quem disse que esporte é coisa de macho? A torcida uniformizada enfurecida com pedras nas mãos? Hipermasculinidade é desequilíbrio.


© Folha de S.Paulo
 
07 junho 2006
  A culpa é do feromônio
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 28/05/2006

[por Vange Leonel]

Feromônio é uma substância que os animais liberam para atrair parceiros sexuais. Há alguns anos cientistas suecos pesquisam a existência desse hormônio em seres humanos, comparando a reação de homens e mulheres (hétero e homossexuais) expostos ao suor e à urina de ambos os sexos. Depois de descobrir que mulheres heterossexuais e homens gays acionam as mesmas áreas do cérebro quando cheiram o suor de outros homens e que lésbicas e homens hétero reagem igualmente quando expostos à urina feminina, os cientistas acreditam haver indícios da existência de feromônios humanos. Mais: os receptores nasais para captá-los teriam correlação com a orientação sexual.

O fato é que feromônios nos lembram de que a atração sexual possui um componente irracional que nos aproxima dos outros animais. Não à toa, usamos metáforas olfativas para descrever momentos em que o instinto fala mais alto que a razão. Quantas vezes farejamos uma oportunidade ou algo não nos cheira bem?

Escritores e poetas também usam e abusam dessas metáforas. Djuna Barnes certa vez escreveu uma fábula cômica ("Ladies Almanack") sobre uma heroína lésbica que arrebanhava pupilas como cadelinhas e as treinava para que fossem boas farejadoras de mulheres. Tudo para que se tornassem "perdigueiras puro-sangue e pointers com a certeza na extremidade de seus rabos". Culpem os feromônios.


© Folha de S. Paulo
 

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger