25 junho 2007
  Azulejos de Lisboa








como milhares de pessoas do mundo inteiro, fiquei fascinada pelos azulejos em Lisboa. Num passeio pelos bairros da Alfama, Santiago e Castelo, subindo as escadinhas de São Crispim, aos pés do Castelo de S. Jorge, não consegui fotografar outra coisa senão os azulejos que decoram as fachadas de suas casas.
 
12 junho 2007
  Dolly Wilde
colunas GLS publicadas na Revista da Folha em 20/05 e 01/06/2007
por Vange Leonel

Dolly Wilde

Dolly vai à guerra

Quando chegou a Paris, aos 17 anos, a inglesa Dolly Wilde foi morar com outras quatro mulheres num pequeno apartamento em Montparnasse. Naquele ano de 1914, início da Primeira Guerra Mundial, a população civil já se mobilizava. As mulheres, não podendo servir no Exército, trabalhavam como voluntárias em hospitais e fábricas.

Curiosamente a frota de motoristas de ambulância reunia muitas lésbicas e, entre elas, as cinco garotas de Montparnasse (como também a escritora Gertrude Stein e sua "mulher", Alice B. Toklas).

Da convivência íntima, nasceu a paixão. Dolly começou a namorar sua colega de apartamento, Betty Carstairs (mais conhecida como Joe), uma rica herdeira da Standard Oil que adorava se vestir como homem e tinha os braços musculosos tatuados. Juntas, Joe e Dolly passavam as noites de folga observando, pelo teto de vidro do apartamento, os aviões alemães que bombardeavam Paris. Um espetáculo lindo, não fosse trágico.

Para esquecer as cenas horripilantes que testemunhavam em serviço, as cinco garotas de Montparnasse saiam juntas para beber madrugada adentro. Percebendo a efemeridade da existência em tempos de guerra e sedenta por viver a vida até a última gota, Dolly tomou gosto pela bebida e pela boemia.

Quando a guerra terminou, despiu o uniforme azul- marinho, colocou um vestido e incorporou seu melhor papel: o de sobrinha de Oscar Wilde, cuja semelhança com o tio assombrava a todos.


Dolly vai à festa

Era impossível não perceber a incrível semelhança entre Dolly e seu falecido tio, Oscar Wilde. O rosto oval, as mãos longas, os cabelos escuros, o formato dos olhos: tudo lembrava o escritor.

H. G. Wells ficou encantado por encontrar uma versão feminina de Wilde. Outros inventavam que ela era o próprio fantasma do tio. Mas as semelhanças não se resumiam à aparência. Mercedes de Acosta, amante de Marlene Dietrich, achava que Dolly lembrava Oscar em suas tiradas espirituosas e em sua vivacidade. A colunista da revista "New Yorker" Janet Flanner (também lésbica) escreveu que Dolly era uma personagem saída de um livro.

Muitas mulheres e homens se apaixonaram por Dolly ao ver em seu rosto Oscar Wilde. Apesar de se divertir com a semelhança e até explorá-la, a sombra do tio lhe fez mal. No esforço de viver como personagem, buscando a intensidade e a fantasia que só existem nos livros, Dolly tomou gosto pelas drogas.

Ela se comportava de modo excêntrico e inusitado. Dizem que aplicava heroína na própria coxa, debaixo da mesa, durante jantares formais, sem que ninguém percebesse. Depois guardava a seringa na bolsa e continuava conversando como se nada tivesse acontecido.

Quando a Segunda Guerra estourou e os loucos anos terminaram, Dolly estava viciada, sem dinheiro e com um câncer no seio em estágio avançado. Morreu em 1941 de overdose -não se sabe se intencional ou acidental. A personagem encerrou sua ficção com uma pitada de mistério.

© Folha de S.Paulo

Marcadores:

 
11 junho 2007
  De volta
Após merecidas férias. Quase um mês viajando por terras lusitanas. Portugal me surpreendeu. Deixamos Lisboa às vésperas das festas de Santo Antônio, que rola amanhã por lá. Vou desfazer as malas e depois retomo o blog com mais calma.
 

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger