28 fevereiro 2008
  Memórias de uma Mulher Macaca - capítulo 1

"Sou metade macaca e metade humana. Não, não digo isso no sentido em que somos todos descendentes de um ancestral símio. Não. Eu sou, literalmente, um híbrido, uma quimera: metade macaca e metade humana. Não que isso seja uma novidade..."


Esta semana estreei lá no Mix Brasil minha web-novela "Memórias de uma Mulher Macaca". Uma espécie de autobiografia fantástica que estou escrevendo na forma de folhetim.

Clique e leia. A cada 15 dias colocarei um novo capítulo.

Marcadores:

 
23 fevereiro 2008
  Dias de folia
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 10/02/2008

por Vange Leonel


Ela se olhou no espelho e viu sua imagem ao contrário. Seu braço direito era esquerdo, todo seu lado esquerdo era direito, mas, no fundo, sabia que o contrário dela era ela mesma. Apenas seus lados estavam trocados.

Entusiasmou-se com seu reflexo e resolveu atravessar o espelho, vivendo seu oposto, além do destro e do sinistro. Tomaria posse do outro sexo que, sentia, vivia sufocado dentro de si.

Tirou da gaveta um pé de meia que enrolou até formar um cilindro firme e macio. Depois, vestiu uma cueca do marido e acomodou o cilindro entre as pernas, como se fosse membro do próprio corpo.

Com rímel à prova d'água, ainda diante do espelho, desenhou costeletas, contornando a face, e um bigode. Antes, depilava o buço. Assaltou o armário à cata de calças, atou uma faixa bem justa em volta do tórax e sentiu-se feliz por ter seios tão pequenos que pudesse esconder.

Ouviu a batucada ao longe e saiu para a rua. Jogou-se no samba e foi mais um (uma?) no bloco dos travestidos. Por cinco dias, ficou à mercê de sua fantasia, esfregando-se nas moças, engolindo confetes e bebendo até cair. Pelo menos durante o Carnaval, esqueceu-se de que era mulher.

Quando a quarta-feira chegou, já não era homem e nem voltaria a ser mulher. Era apenas ela, sem espelho, sem fantasia ou membro de qualquer tecido. Descobriu que todo mundo merece, ainda que uma vez ao ano, se livrar de rótulo, gênero, sexo, classe, raça, tarja e categoria.


© Folha de S.Paulo


Marcadores:

 
12 fevereiro 2008
  Gays não-praticantes
coluna GLS publicada na Revista da Folha em 20/01/2008

por Vange Leonel


Não faz muito tempo, os pastores da Santa Sé resolveram abrandar sua condenação aos homossexuais. Numa atitude conciliatória, a igreja decidiu acolher os fiéis homossexuais, embora a prática da homossexualidade continuasse a ser vista como anomalia e afronta à moralidade cristã. Ou seja: segundo a ortodoxia católica, você pode ser homossexual, desde que não pratique a homossexualidade.

Curiosamente (mera coincidência?), a programação da TV aberta brasileira parece seguir diretrizes religiosas. De uns tempos para cá, emissoras adotaram uma atitude mais "liberal", mostrando em suas novelas personagens gays sem estereótipos e não fadados aos finais trágicos de outrora.

Sem dúvida, a atitude de apresentá-los como pessoas até "normais" é bem-vinda. Mas, a exemplo da igreja, as novelas (ou seriam seus telespectadores e patrocinadores?) não admitem personagens gays e lésbicas praticando sua homossexualidade. Enquanto beijos heterossexuais são ostensivamente colocados no ar, os gays da TV só se beijam fora de cena. São, digamos, homossexuais não-praticantes.

Por falar nisso, circulam boatos na internet de que a casa do "Big Brother Brasil 8" abriga dois gays e duas lésbicas. Por enquanto, apenas o psiquiatra Marcelo assumiu sua homossexualidade diante das câmeras. Desconfio que, mesmo que outros participantes saiam do armário, serão poucas as chances de rolar beijo homossexual no horário nobre da TV aberta. Eu não vou pagar pra ver.

© Folha de S.Paulo

Marcadores:

 

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger