26 novembro 2010
  Purpurinas para Claudia Wonder
Esta minha coluna foi publicada na revista Sui Generis em 1999. Assim que a edição foi às bancas, Claudia Wonder veio me abraçar, falando o quanto havia gostado da coluna. Nos conhecíamos desde o início dos anos 80, nós duas frequentadoras e performers roqueiras do Madame Satã. Republico a coluna aqui, como homenagem à companheira de tantos prazeres dionisíacos e lutas homéricas - love you Claudia.

Deus Abençoe os Andróginos

E então Deus criou o homem. E, se dele foi tirada uma costela para fazer a mulher, logicamente esse primeiro homem possuía dentro de si ambos os sexos: era um andrógino, feito à imagem e semelhança de seu Criador. E então os sexos divididos cometeram o Pecado Original.

Platão dizia que no início existiram o macho, a fêmea e o andrógino. Quando Zeus percebeu que a humanidade estava arrogantemente ameaçando seu poder divino, resolveu cortá-los ao meio. O andrógino, dividido, deu origem ao homem e à mulher, que passaram a procurar suas metades perdidas – esses eram heterossexuais. Da mesma maneira, o homem cortado ao meio dividiu-se em dois homens que também passaram a procurar suas metades masculinas, a mesma coisa acontecendo com as mulheres divididas – esses eram os homossexuais.

A androginia parece estar presente em todas as cosmogonias, explicando a origem do mundo e da humanidade. O ser que, dentro de si, reúne duas polaridades opostas simboliza origem e também um anseio pela totalidade, o desejo de voltar a ser completo.

Os alquimistas sempre souberam da importância do Andrógino Universal, que era como eles chamavam o mercúrio, único elemento capaz de reagir com todos os outros metais e substâncias. Seu caráter ambíguo, sua facilidade para apresentar-se em vários estados - sólido ou líquido - e sua propriedade de dissolver e coagular faziam dele um elemento de suprema importância para a descoberta do Ouro Alquímico. Jung, quando estudou a Alquimia, percebeu nela processos análogos aos que ocorrem na psique humana e, analogicamente, atribuiu ao andrógino uma função vital no processo de individuação. A integração do masculino e do feminino dentro do próprio individuo passou então a ser apontada como sinal de saúde, enquanto a divisão ou a supressão de um deles começou a ser vista como desequilíbrio e doença.

Embora Jung se referisse ao masculino e ao feminino de maneira simbólica o sexólogo Edward Carpenter, algumas décadas antes de Jung, via nos homossexuais a realização dessa integração entre os gêneros. Carpenter acreditava que os homossexuais eram a lembrança viva do período que antecedeu a divisão dos sexos: eles eram os novos andróginos. Ele elevou os homossexuais a uma instância até divina e dizia que eles eram a ponte entre os dois sexos, uma janela através da qual o homem poderia compreender a mulher e vice-versa. O terceiro sexo seria, então, de grande ajuda para a melhor convivência entre homens e mulheres e não uma degeneração da natureza. Pelo contrário: seriam imprescindíveis para o seu equilíbrio.

A androginia despertou a paixão de artistas inquietos, principalmente duas mulheres escritoras, que sempre buscaram libertar-se de dogmas sexistas. Djuna Barnes também via no homossexual uma representação nostálgica de reunião e totalidade. No livro Nightwood, perguntava “o que é esse amor que nós temos pelo invertido, o rapaz ou a garota? Eram deles que falavam todos os romances que nós já lemos. A garota perdida, o que é ela senão o príncipe encontrado? O príncipe no cavalo branco que todos nós sempre estivemos buscando. E o rapaz bonito que é uma garota, não é senão o príncipe-princesa em um bordado - nem um e a metade do outro, a pintura em um leque! Nós os amamos por essa razão”.

Virginia Woolf, a outra escritora, concebeu seu personagem Orlando como sendo metade do tempo homem e metade do tempo mulher. O livro Orlando, concebido como uma biografia, narra a transformação do personagem que intriga e provoca pela sua ambigüidade sexual: “Se compararmos o retrato de Orlando homem com o de Orlando mulher, veremos que, embora sejam ambos, indubitavelmente, uma e a mesma pessoa, há certas mudanças. O homem tem a mão livre para agarrar a espada; a mulher deve usá-la para impedir que as sedas escorreguem de seus ombros. O homem encara o mundo de frente como se ele fosse feito para seu uso e de acordo com o seu gosto. A mulher lança-lhe um olhar de esguelha, cheio de sutileza, e até de desconforto. Se usassem as mesmas roupas, é possível que sua maneira de olhar tivesse vindo a ser a mesma.” Neste verdadeiro manifesto anti-sexista e pró-androginia é revelada a visão de como seria um mundo sem essa ruptura abissal entre os gêneros. E quando diz que “são as roupas que nos usam e não nós que usamos as roupas” ela deixa claro que o legado cultural sexista - a roupa - acaba por aprisionar o indivíduo que, originalmente, é andrógino como Orlando, como o primeiro Adão e como aquele de Platão.

A androginia então parece estar mais perto da pureza e de Deus que manifestações cindidas de egos agarrados à idéia de que ser só homem basta. Ou ser só mulher basta. Mas cuidado, a aparência não é tudo: a verdadeira androginia está na alma e no espírito. Deus abençoe os andróginos, pois é deles o Reino dos Céus!


Vange Leonel

Sui Generis, julho de 1999



 
Comments:
Que legal esse texto. E muito bem escrito, uma delícia de ler. Gostaria de ter encontrado-o entre 2002-2003, quando escrevi minha dissertação de mestrado sobre a presença da temática homossexual na publicidade brasileira. Uma das conclusões: o "uso" da androginia, mesmo para produtos não-dirigidos ao público LGBT. A hipótese: todos temos, inconscientemente, uma atração essencial pelo andrógino. Teria sido uma excelente referência!

Um abraço,

Adriana
 
platoon! ié
 
Que grande equívoco! Quanto mais tentam explicar o homossexualismo, como fator originário do ser humano e normal, mais se embrenham na mata selvagem da confusão.
Se os andróginos foram divididos, eles buscariam a metade oposta para se tornar completo, e não uma metade igual, pois continuariam no ser incompleto.
Cada um que aparece!

Ghassan
 
Cara, cada um faça o que quiser com sua vida, desde que não encha o saco do outro. O étero tem direito de sê-lo, os(as) homo, idem. Que merda esse pessoal que gosta de se meter na vida alheia!

Sugiro apenas que corrijam a palavra "androginia" e suas variantes pelo correto "androgenia", pleeease!

Vange, caralho, que dificuldade pra achar um disco teu porra! PRECISO escutar "NOVOS PESADELOS" outra vez... tenho em K7 junto com o Robert Fripp mas nem tenho onde tocar mais...(gravado da rádio, no dia da inauguração da Brasil 2000!).

Beijo!
Seo
 
Otimo texto....claro para inteligentes e ignorantes.
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger