04 agosto 2009
  Meu Velho e o Mar
como bem lembrou minha irmã Cris, hoje faz 25 anos que nosso pai se foi. Vou postar então uma coluna que escrevi já faz algum tempo na Revista da Folha em homenagem à meu velho. A foto que ilustra este post foi tirada em Peruíbe e mostra meu pai e as três filhas (Cris, eu no carrinho e Lolô - meu irmão Otávio ainda não havia nascido).



Meu Velho e o Mar


[por Vange Leonel]

Meu pai era filho de italianos imigrantes que chegaram ao porto de Santos e resolveram não subir a serra. Caiçara, criado na praia, caçula temporão, último de 7 irmãos, cresceu com seus olhos azuis fixos no horizonte, no oceano. De tanto olhar os barcos e navios chegando e partindo do cais, cursou engenharia naval e passou a vida projetando petroleiros. Mesmo depois de casar com minha mãe, quando veio morar na capital paulista, jamais conseguiu ficar muito tempo longe do mar.

Os leitores e leitoras me desculpem o tom tão pessoal, mas é inevitável lembrar do meu velho nessa época do ano. Hoje é dia dos pais e foi também no começo de um mês de agosto, há 18 anos, que meu pai morreu. Olho em volta e as revistas, jornais e tevês aproveitam a efeméride para estampar em suas páginas e telinha artigos e matérias sobre pais e seus filhos e eu fico com saudades.

Sinto falta daquele cara meio fechado, introspectivo, que me presenteou com um livro de Oscar Wilde depois que contei que era lésbica. Sinto muita pena que ele não tenha conhecido a minha cara-metade, minha mulher, pois tenho certeza que os dois se dariam muito bem (curiosamente, o esporte preferido da minha namorada parece ser o mesmo que meu velho gostava: me provocar com piadinhas espirituosas!).

Mas dou graças aos céus por ter tido tempo de mostrar a ele quem eu realmente era. Fico agradecida por não ter sido necessário engana-lo, por ter tido a chance de ser absolutamente honesta e por ter obtido, através de sua aceitação de minha homossexualidade, a prova definitiva de seu amor incondicional por mim.

Hoje, toda vez que me aproximo do oceano, paro e fixo meus olhos no horizonte e penso que ele já deve ter pousado seu olhar naquela faixa de mar inúmeras vezes. Imagino que ele observava as embarcações, indo e vindo, e que sabia, no fundo, que o que se leva dessa vida é a vida que se leva. Ainda bem que fomos amigos. E isso não aconteceu por acaso: aconteceu porque fizemos um esforço e não nos deixamos ficar à deriva. A tempo, acendemos um farol e construímos um porto para onde retornar os barcos.


 
Comments:
texto lindo e maravilhoso...
me fez lembrar o meu velho que tambem partiu cedo...!!
fiquei emocionado com tamanha docura de palavras ao falar dele!!
arrebentou
rs
 
Que coisa gloriosa,que homenagem mais linda e que herança ele deixou,uma espirituosa,afetuosa,profunda maneira de ver e interrelacionar as coisas,o significado e a ess^ncia valorosa das relações,o espirito filosófico,tecendo,criando e recriando maravilhosas possibilidades e abordagens,uma inteligência límbica",jornalística,crítica,espirituosa e renascedoura da sua fonte,a grande jornalista que é nossa vange leonel a defensora da beleza de nossa androginia essencial de amar e ser...porta voz moderna de todos os nossos primordios...muito admiração,parabéns!!!!!Barbara martins
 
Olha a barbara martins tem email:barbaracastro_martins@hotmail.com acho a mais conscienciosa,leve,profunda e apaixonada porta voz destes temas,nao perco um de seus posts,vc fala pela nossa alma,pela parte causal do sagrado deste amor existir,vange é impossivel ficar indiferente a seus textos,composiçoes,etc muito admiro seus trabalhos parabéns!!!barbara martins
 
Muito lindo esse texto! Me emocionei. Não canso de reler.
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger