05 março 2006
  Paradoxo "Tostines"
[por Vange Leonel]
coluna GLS publicada na Revista da Folha de 19/02/2006

Quando iniciei minha vida de paquera e balada, no começo dos anos 80, a cidade de São Paulo já oferecia uma variedade de clubes e bares para o público homossexual. Mas, numa época pré-Parada GLBT, em que o ativismo gay e lésbico começava a se organizar no Brasil, os locais voltados para homossexuais eram um pouco mais "disfarçados" e não apareciam nos roteiros culturais GLS da grande imprensa. Eram praticamente guetos.

Muita gente pergunta por que nós, gays e lésbicas, precisamos de locais exclusivos para nos encontrar. Antigamente, a resposta seria óbvia: aqueles eram os únicos locais onde podíamos flertar e beijar sem medo de sermos agredidos por indivíduos ou grupos homofóbicos. Ainda hoje o argumento vale, visto que aversão e agressão a homossexuais continuam rolando, mesmo existindo leis para nos proteger.

Assim como heterossexuais cultivam preferências por este ou aquele bar de acordo com sua tribo, homossexuais também se concentram em alguns picos. Mas será que esta predileção por bares GLS reflete uma livre escolha ou deve-se ao fato de ali haver maiores chances de encontrarem pessoas afins? E se gays e lésbicas resolvessem paquerar em locais que não são marcados com a sigla "GLS"? Eu recebo muitos e-mails de casais homossexuais que foram convidados a se retirar de lugares "não-GLS", sob a alegação de que os clientes heterossexuais presentes não se sentiam à vontade com demonstrações homoafetivas. Afinal, o gueto nos protege ou nos aparta da sociedade? Não há resposta simples para esse "paradoxo Tostines".

© Folha de S.Paulo
 
Comments:
É, não há respostas simples porém, continue questionando!Parabéns!
 
boa pergunta.
acho que a resposta tá mais ou menos por aqui "heterossexuais cultivam preferências por este ou aquele bar de acordo com sua tribo".
acho também que dentro do conceito "bares gays" ainda tem um monte de subdivisões também.
por exemplo: os gays que não frequentam lugares gays, preferem lugares mix que são frequentados quase que exclusivamente por gays que não frequentam lugares gays, entendeu?
o resto é omelete de frango.
 
obrigada, anônimo...

hahaha, charlotte, vc atingiu o ápice da sofisticação paradóxica com esse seu exemplo, ótimo!
 
hm, gueto é meio que nem óculos, quanto mais vc usa, mais acaba dependendo de.. =/..
mas infelizmente minha cútis não vai presenciar incólume o tráfego livre livre em todos os locais (vc viu a propaganda da spfw?.. meio que institui, ou qualifica e tal, que em poucos lugares todos - independente de sua 'diferença' - se sentem bem).
Eu acho que gueto aparta mas infelizmente é um mal necessário, sometimes. Pq, aff, não é resignismo e tal, mas tem dias que vc não tá com a menor paciência pra matar o leão que espera INEVITAVELMENTE na próxima esquina... mas também o trabalho de alastrar a área dos lugares 'livres' e tal é meio feito com a faca na boca que nem naquelas conquistas de território antigas (rs..), tem jeito não.. é a ditadura dos 00, a do ir-e-vir, e o sangue da gente fica derramado cada vez que tem que recolher pra dentro de si a vontade de andar como e quanto e com quem quiser... enfim...=/
bjos vange! =D
 
hahahaha, eu também AMEI essa descrição "os gays que não frequentam lugares gays, preferem lugares mix que são frequentados quase que exclusivamente por gays que não frequentam lugares gays". inclusive (pronto, confessei!), acho que vou muito a lugares assim, hahahahaha...

ô, vida...
 
é, eu também frequento esses lugares heteromix, sabe? afinal, tá todo mundo lá.

mas tenho a confessar que adoro lugares gays. é como andar pelada em casa.
 
Eu cheguei a este blog hoje, mas devo já dizer que gostei muito do que li!
Em Portugal, infelismente, nem seuqer há ainda muitos lugares heteromix, como a Charlotte resume.
Eu também confesso preferir esses lugares aos exclusivamente gay/lésbicos, mas ainda há muito trabalho a fazer para abrir mentalidades aqui, mentalidades hetero e homossexuais.
Parabéns pelo blog e pela serenidade que me parece já haver no Brasil acerca da comunidade lgbt.
 
Denise, eu concordo contigo e confesso que gosto de ir a lugares majoritariamente lésbicos porque gosto do ambiente de paquera generalizada entre mulheres, sem ter que ficar tentando descobrir se fulana é ou não é dyke. Mas gosto de variar também (se bem que não sou muito baladeira - minha variação é casa, casa, casa, bar (cedo), casa, casa casa, restaurante, casa, casa, casa, casa dos amigos, casa, casa, casa, show, casa, casa, casa, balada (cedo), casa, casa, casa, etc, casa). Mas continuo achando chatésimo ir a àquelas festas em que alguns caras heteros desavisados ficam babando em cima da gente.

Pedro e Charlotte, um dia vou apresentar vcs, um ou outro, pessoalmente. Dois queridos.

Grace, seja benvinda ao blog! A Charlotte morou durante um tempo em Portugal, ela deve saber o que pega por aí...
 
portugal tem poucos lugares gays. pra mulheres, então, quase zero. quando morava aí ia naquela tasca do lado do frágil, no bairro alto. tinha o catedral, que era péssimo. e a trumps, pra dançar. mas era uma coisa 70% homens.
depois tinha o lux, que cabe perfeitamente na descrição heteromix, não é? beijocas portuguesas;
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger