13 abril 2008
  Vitrine
(a matéria abaixo foi publicada no jornal Folha de S.Paulo do dia 5 de abril de 2008. A convite do caderno "Vitrine", fui às compras.)

VANGE LEONEL VAI ÀS COMPRAS [colunista em campo]


Mais uma gelada! Cervejas de todo o mundo desfilam para colunista em tarde de degustação

VANGE LEONEL
COLUNISTA DA FOLHA

"Cerveja é uma prova de que Deus nos ama e nos quer felizes". A frase é de Benjamin Franklin, aquele cara que empinou uma pipa num dia de tempestade para provar que os relâmpagos eram pura eletricidade. Além de inventor, político e pensador, Franklin era um declarado amante da cerveja.

Os apreciadores da bebida encontram aqui no Brasil, cada vez mais, uma enorme variedade de marcas. Numa visita à padaria/bar/restaurante Tortula, esta colunista se sentiu como criança na fantástica fábrica de chocolate de Willy Wonka.

Num amplo compartimento gelado, em várias prateleiras, centenas de cervejas do mundo inteiro estão dispostas, se oferecendo às bocas e olhares sedentos. Sim, porque o prazer em degustar uma cerveja começa pela apreciação visual dos rótulos. Piratas, pin-ups, Papai Noel, abadessas, motivos tropicais, elefantes cor-de-rosa, ursinhos, tudo é tema para estampar garrafas de todos os tamanhos e formatos.

No Tortula a coisa funciona assim: você pega uma cerveja, leva à mesa e bebe em um copos apropriados para aquele tipo. Quando abre a garrafa, o garçom ou garçonete anota o número da sua comanda numa conta que será cobrada à saída. Você pode pedir petiscos, sanduíches ou pratos para acompanhar. Mas isso é detalhe. Eu, particularmente, não fui ali para comer. O forte do lugar são as cervejas diferenciadas.

O perigo, a colunista adverte, reside naquelas prateleiras geladas abertas ao self-service. Fica a sensação de que é só ir ali, escolher, se sentar e provar, uma após outra, sem maiores conseqüências. Então aqui vai uma dica: faça um planejamento do que você quer provar e anote os preços num papel à parte à medida que for bebendo. Por dois motivos. Primeiro, porque a comanda que nos oferecem é apenas um número de identificação. A conta, a dolorosa, fica registrada bem longe dos nossos olhos e só nos deparamos com ela no caixa. O segundo motivo é que, pela infinidade de opções, é bom saber diferenciar as famílias e tipos de cerveja para poder provar o novo e apreciar o conhecido.

Eu, por exemplo, sou fã de cervejas do tipo "lager". Provei uma tcheca Czechvar (R$ 12,90, 330 ml), muito boa, com aquele gostinho amargo das minhas favoritas (e mais em conta) Pilsner Urquell e Stella Artois. Mas não poderia faltar nessa degustação de cervejas uma autêntica trapista. Experimentamos (pois eu não estava sozinha e cerveja se bebe em boa companhia) uma Chimay Cinq Cents Triple (R$ 59,90, 750 ml) produzida em um mosteiro belga. Mais perto de Deus, os monges sabem fermentar como ninguém essa evidência de que Ele nos ama e nos quer felizes.

Depois provamos a artesanal Colorado Cauim (R$ 11,90, 600 ml), de Ribeirão Preto, que leva mandioca em sua composição. Honesta e gostosa. É preciso, porém, ressaltar que as cervejas poderiam ser mais fresquinhas. Algumas importadas já estavam com a data de validade quase vencida.

Enfim, bebemos animadamente enquanto belgas, brasileiras, escocesas, uruguaias, alemãs, tchecas, louras, ruivas e morenas desfilavam à nossa frente. Levamos algumas para casa. Mas não se engane. Nenhuma delas tinha peitos e bundas de comercial de televisão. Nesse caso, a boa é mesmo a cerveja.


© Folha de S.Paulo

 
Comments:
gente, 59 por uma cerveja, tinha que vir com peito sim.

tinha coopers, a cerveja organica australiana? tem que sacudir gentilmente a garrafa antes de abrir, pra misturar o depósito que fica no fundo.
 
hehehehehe... charlotte, vc é impagável! não me lembro se tinha a coopers. tá boa a vida aí na austrália? saudades, querida. beijos.
 
Oi Vange,

Vim futricar aqui e olha vc me deixou com inveja. Prefiro stout, mas sou aberto a todas as experiências. Deve ser efeito do Periquita que tomei. Mas olha na boa, lugar dez esse que vc foi. Oh inveja. Bjs!
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger