08 março 2006
  Cyborg Manifesto
hoje eu quase vomitei depois de ler, em pleno 8 de março, um artigo do bisbo da opus dei na página "tendências de debates" do jornal Folha de S.Paulo, onde o sujeito advoga que "o homem tem o direito de se desenvolver como homem, e a mulher, como mulher - sem dar espaço a mimetismos que produzem crises de identidade, complexos psicológicos e problemas sociais de grande transcendência" . Bleargh!!! E o artigo anida se intitula "O mundo precisa do gênio feminino". Só restou a mim, depois da leitura indigesta, banhar-me mais uma vez nas libertadoras palavras de Donna Haraway. Como não tenho capacidade para traduzir seu texto com a exatidão e a sensibilidade necessárias, transcrevo aqui um trecho do "Cyborg Manifesto" no originial, em inglês O texto integral pode ser encontrado neste link. Adoro a maneira como ela termina o Manifesto, dizendo que prefere ser um ciborgue a ser uma deusa. Eu também.

trecho do "Cyborg Manifesto", de Donna Haraway

"Contemporary science fiction is full of cyborgs - creatures simultaneously animal and machine, who populate worlds ambiguously natural and crafted. Modern medicine is also full of cyborgs, of couplings between organism and machine, each conceived as coded devices, in an intimacy and with a power that was not generated in the history of sexuality. Cyborg 'sex' restores some of the lovely replicative baroque of ferns and invertebrates (such nice organic prophylactics against heterosexism). Cyborg replication is uncoupled from organic reproduction. Modern production seems like a dream of cyborg colonization work, a dream that makes the nightmare of Taylorism seem idyllic. And modern war is a cyborg orgy, coded by C3I, command-control-communication-intelligence, an $84 billion item in 1984'sUS defence budget. I am making an argument for the cyborg as a fiction mapping our social and bodily reality and as an imaginative resource suggesting some very fruitful couplings. Michael Foucault's biopolitics is a flaccid premonition of cyborg politics, a very open field.

By the late twentieth century, our time, a mythic time, we are all chimeras, theorized and fabricated hybrids of machine and organism; in short, we are cyborgs. Ths cyborg is our ontology; it gives us our politics. The cyborg is a condensed image of both imagination and material reality, the two joined centres structuring any possibility of historical transformation. In the traditions of 'Western' science and politics--the tradition of racist, male-dominant capitalism; the tradition of progress; the tradition of the appropriation of nature as resource for the productions of culture; the tradition of reproduction of the self from the reflections of the other - the relation between organism and machine has been a border war. The stakes in the border war have been the territories of production, reproduction, and imagination. This chapter is an argument for pleasure in the confusion of boundaries and for responsibility in their construction. It is also an effort to contribute to socialist-feminist culture and theory in a postmodernist, non-naturalist mode and in the utopian tradition of imagining a world without gender, which is perhaps a world without genesis, but maybe also a world without end. The cyborg incarnation is outside salvation history."

© Donna Haraway
 
Comments:
hahaha, também "briguei" com o bispo lá no meu blog... vamos trocar?!

onde ele escreveu "o direito", acho que ele queria dizer "o dever", né?

e, de acordo com os conceitos dele, não seria "feminina" toda aquela vaidade por grifes chiques internacionais do papa bento xvi, seu líder supremo? e os traços femininos do papa, onde é que ficam? se o papa pode misturar, por que não nós???

eu, hein?!
 
e o termo "diversidade" do qual ele se apropria. vai criar seus próprios termos, imitão de araque! transtornado! doido de pedra!
(e a folha ainda escreve em baixo que "não se responsabiliza" pelos textos ali publicados. uai, ela se responsabiliza por que então?)

achei engraçado como o universo e a linguagem dos quadrinhos (que eu amo) absorveu tão bem e traduziu tão prolificamente o universo cyborg, em vários sentidos.

eu amo quadrinhos, amo.
 
pedro, eu li no seu blog seu protesto na janelinha vermelha... hahaha, estamos sincrônicos. Pena que não tenho tido tempo e dedicação pra acompanhar aquelas deliciosas discussões de lá. A vida fora do ciberespaço tem demandado muito.

marcia, a donna haraway é uma grande entusiasta de ficção cietífica, especialmente sci-fis feministas que, aliás, fiquei curiosa pra ler.

beijos nos 2. estou com saudades.
 
vange, sua coluna desta semana na revista da folha é uma pérola! até arranquei a página, coisa que não costumo fazer.

tô louca para você postar aqui, para eu linkar lá no meu blog.

coerência, concisão, parabéns!

beijos
 
Sabe o que me chateia? É o fato de que um texto como o do bispo da Opus Dei (que vai ficar conhecida agora com a indicação do PSDB, né?) é sutil.

Para muitas pessoas é possível que soe até progressista. Não tenho certeza, mas acho que ele não exemplificou nada do que defendia.

Fez um texto que para algumas pessoas grita de tão alto que fala sobre as diferenças de gênero. É como se berrasse: "cada macaco no seu galho". O que ele quer dizer é isso e pra muita (muita?) gente tá na cara. Mas pra outras pessoas soa progressista, incentivador da mulher, dos tais direitos iguais para ambos os sexos. Desde que se dê a Deus o que Deus pede, claro: "cada macaco no seu galho". E nem isso é dito explicitamente. Ele não cita os homossexuais claramente. Mas passa direitinho a mensagem, muito bem disfarçado de "avançado".

E é esse tipo de discurso não claro que fica mais perigoso, eu imagino.

Depois leio o texto da Donna Haraway. Meu inglês é capenga. Tem que ser com calma.
 
Alessandra, obrigada! Vou postar logo logo. Antes, vou colocar uma frase que li hoje na folha (outra tiradinha sexista).

Mônica, pois é, o grande perigo é esse mesmo, soar como incentivo pró-mulher, quando na verdade é terrivelmente paternalista, patriarcalista e evidentemente sexista. Bom, e falando em PSDB, o que dizer do mote Alkmínista "Família, Religião & Tradição"? Essa é, sem dúvida, a Santíssima Trindade da Hipocrisia"... (fui lá no seu blog... gostei da frase do amigo, "viver é placebão", hahahaha)
 
Darling, passa o livro pro seus amiguinhos militantes gays!!! hahahahahahahahahaha

NUCOOL: www.4pixel4.com

BJS!
 
Existe uma boa tradução do manifesto ao Espanhol em: http://www.entretodas.net/2006/05/19/«manifiesto-cyborg»-de-donna-haraway/
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger