07 janeiro 2006
  Instinto Materno
Desconfie quando um homem resolve falar de instinto materno. Hoje a coluna do doutor Drauzio Varella na Folha de S.Paulo discorre sobre o assunto sem dar conta da enorme complexidade que envolve a questão. Não que haja incorreções ali, mas falta boa parte da história: o cara bem que poderia ter lido alguns estudos da maior especialista no assunto hoje, a bioantropóloga Sarah Blaffer-Hrdy.

Lá pelas tantas, o doutor Drauzio diz: "Exames do cérebro de ratas em época de aleitamento mostram que ocorre ativação de uma área cerebral conhecida como núcleo acumbens, na qual se integram neurônios encarregados das sensações de reforço e de recompensa, mecanismos semelhantes aos envolvidos na dependência de drogas. Curiosamente, ratas tornadas dependentes de cocaína, quando colocadas diante do dilema da escolha entre a droga e os filhotes recém-nascidos, dão preferência a estes". Do jeito como ele coloca as coisas, fica parecendo que a maternidade é sagrada e que o cérebro da mãe fica, irrevogavelmente, banhado por uma química que irá ligar a mãe ao filho.

Segundo Hrdy, não é bem assim. Para ela, a maternidade, desde a gravidez, é uma dura e intensa negociação entre os interesses de mãe e filho e não há nada "sagrado" ou "irrevogável" quando se fala em instinto materno. Para Hrdy, infanticídio, aborto e abandono também são facetas do instinto materno, por mais paradoxal que isso possa parecer. Segundo a bioantropóloga, se a mãe julgar que não tem condições físicas ou psicológicas (no caso dos animais não-humanos) para levar a termo a gestação ou criação dos filhotes, o instinto materno fará com que ela aborte, mate ou abandone a cria.

A noção vitoriana da santidade materna expressa nas entrelinhas da coluna do Drauzio é um grilhão muito antigo, usado para atar os pés e o útero da mulher.

@

PS. Se você dispuser de um Adobe Acrobat, pode ler uma exposição breve das teorias sobre o instinto materno de Sarah Hrdy em dois artigos. O primeiro, da colunista de ciências do NY Times, Natalie Angier. O segundo, de Claudia Dowling, publicado na Discover Magazine. Os dois, em inglês. Para ler diretamente os estudos recentes de Hrdy, eles estão disponíveis em sua página.
 
Comments:
bom, bastava o drauzio relembrar o mito de medeia (entre outros tantos) para nao moralizar a mater-nidade, neh vange? puta cara chato. mania de sacralizar tudo, depois a mulherada pira e ninguem entende.

para mim a maternidade e o infanticidio podem perfeitamente caber no mesmo pacote. e geralmente cabem, e geralmente negociam com variaveis crueis como abandono X alimento, rejeicao X acolhimento.

e viva a neurose.
e deixa minha neurose em paz que a gente nunca foi santa, jah dizia norma jean, prontofalei.
 
sim, sim!, sensacional! o mito do "instinto materno", além de tudo, também camufla e alimenta relações bastante violentas entre mães e filhos aparentemente mansíssimos e amorosíssimos, e penaliza (pune?) igualmente mães e filhos, né?
 
é, Jezzie, e eu confesso que fiquei tão irritada com o cara que até fui sexista na minha primeira frase do post, né? É claro que homens podem falar sobre instinto materno, assim como não-mães, mas a gente tem que levar em conta essa ambivalência, como ilustrou o Pedro. Aliás, eu me lembro de uma entrevista da Soninha (vereadora) dizendo que maternidade não era aquele mar de rosas todo. Um amigo meu, que acabou de ter uma filha, confessou que ela é bonitinha, fofinha, mas ele ainda não sente que ela é "da família", hahahaha... Claro, ele disse isso em tom de humor, e o amor vai rolar, ele sabe. Mas aí, que amor não é ambivalente, né?
 
só um reparo: nada contra o dr Drauzio. Seu trabalho na luta contra a AIDS e no Carandiru é valioso. E ele é médico de um amigo meu. Apenas discordo de algumas abordagens evolutivas feitas em suas colunas, que julgo não fazer jus à complexidade do tema (e olha que eu sou darwinista!).
 
Postar um comentário



<< Home

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Cantora, compositora, colunista GLS e proto-escritora. Lésbica e feminista. Atualmente assina a coluna GLS da Revista da Folha no jornal Folha de S.Paulo e a coluna "Vange Leonel" no Mix Brasil.

mais informações:
BLOG Home
MySpace
Twitter


Vange Leonel

Criar seu atalho







ARQUIVOS
Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Março 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Janeiro 2009 / Fevereiro 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Fevereiro 2010 / Março 2010 / Abril 2010 / Setembro 2010 / Outubro 2010 / Novembro 2010 / Fevereiro 2011 /






LIVROS
Balada para as Meninas Perdidas
Grrrls - Garotas Iradas
As Sereias da Rive Gauche




MEMÓRIAS DE UMA MULHER MACACA
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23



CDs
Vermelho
Vange
NAU



TEATRO
As Sereias da Rive Gauche
Joana Evangelista



WEB
Mix Brasil
MOJO: Atrás do Porto...





Radio Liberdade
















BLOGS FAVORITOS
Cilmara
VAE
Marcia
Elisa
Pedro






Creative Commons License
Reproduçõees do conteúdo deste blog só serão permitidas se estiverem de acordo com as regras estabelecidas pela Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 License.

Os textos da Coluna GLS, têm copyright da Folha de S.Paulo e só poderão ser reproduzidos sob permissão da empresa.




Powered by Blogger